“To mals” ou “O que eu tô fazendo com minha vida?” – times

Eu não sei se é alguma fase planetária que estamos passando como humanidade. A sequência de crises que afeta os brasileiros, a nova era, ou a idade que eu estou mesmo… (33 turning 34) mas as pessoas ao meu redor tem manifestado – com frequência – estes dissabores.

Como eu sou uma constante na crise de identidade, aprendi alguns truques para se viver apesar dela. Eu não sou nenhuma expert, mas já vivi isso tantas vezes que me fez refletir em muita coisa, e começar a procurar formas de olhar diferente de um simples – mas justo, não vou julgar ninguém – mas que não ajuda em nada : fudeu!

Eu fui aprendendo  alguns truques para administrar, não cair no desespero, e essas são as MINHAS VERDADES, pode não ser verdade para você, mas se me permite compartilhar, aqui vai o que funciona para mim:

  1. Estancando a sangria

Eu li isso no livro de propósito do Prem Baba. quando a gente tá mals, a primeira coisa que nosso cérebro faz é procurar o por quê. Nós somos seres racionais, isso é normal e natural. Mas não ajuda… nessa hora é melhor não ficar cavando, você pode encontrar mais coisa que deseja, e entrar em um looping eterno de insatisfação.

E bom, sinta-se mal. Não é todo dia que é lindo e colorido. Você não precisa problematizar a vida o tempo todo. Faça, ao invés disso, algo prazeroso. Algo que você gosta. Coma sua comida preferida. Veja um filme do John Hughes.

  1. Cuide-se

Faça um esforço, sei que dias meio assim são parceiros da inércia, mas é importante. Você pode fazer a unha, cortar o cabelo, limpar a casa, andar até a praça ou passar maquiagem. Mas faça algo para você.

  1. é tudo da lei

Eu sei, vou entrar em contradição agora, mas neste dia faça o que vc quer. Tudo bem você não ir numa festa, num aniversário ou whatever. Existe uma grande chance de parte dessa crise estar ligada à expectativa das outras pessoas (ou da sociedade em geral) em relação a vc (mesmo que essas expectativas sejam coisa da sua cabeça e tenha nenhuma ligação com a realidade). Fale não! exerça sua autonomia. Tudo bem ficar em casa de pijama (contando que vc saia da cama rs).

  1. O importante é o que importa

Agora vamos falar de saúde e bem estar (eu adoro essa frase). Não vamos descartar que provavelmente você está mals /não sabe o que está fazendo da vida porque está mesmo precisando rever conceitos, valores, e caminhos. Está na hora de mudar, ou se conformar com a etapa do processo. Mas antes faça uma avaliação de processo. A meu ver existem 3 etapas em todas as coisas vivas: nascimento, desenvolvimento e transformação para um novo começo. Analise em qual você se encontra nos projetos e aspectos da sua vida que estão te incomodando, e haja de acordo com a fase. Por exemplo: não adianta ficar ansioso por resultado se está na fase de nascimento. Esta é a fase para semear, estudar, abranger, atirar para tudo que é lado etc. A etapa de desenvolvimento é para se focar, estabelecer objetivo, tem a ver com o trabalho diário, disciplina. Já a etapa de transformação é momento de rever, de olhar para trás, ver o que foi feito, corrigir o que der e de deixar morrer o que já não acrescenta. é geralmente nessa fase que ficamos meio blue, parece que estamos fazendo as coisas sem propósito, e como esta é geralmente uma boa hora para ruptura, pode ser dolorido. Mas ao mesmo tempo libertador. Está é a hora de limpar o terreno pois coisas novas vão ser plantadas. Saiba qual a etapa e não se cobre tanto por não ter chegado onde acha que deveria estar. Mas não tenha medo de mudar, rever o que está funcionando, e se livrar do que não está. Defina um objetivo bacana e trabalhe para ele.

  1. These days

Parece que a paciência é exigida em todas as etapas né? Estamos mesmo numa fase (dessa vez é a humanidade em geral mesmo) em que a paciência não é uma boa virtude e sofremos com isso. Não somos recompensados a fazer as coisas com calma e nosso interior acaba pagando o preço. Trate seu tempo interno com carinho, cada um tem um seu. E o tempo é relativo. A ansiedade é o mal moderno, mas pode ser controlado (minimamente).

  1. Fé é uma palavra viciada

Ter fé ficou muito conectado com religião. E por mais incrível que pareça eu aprendi isso frequentando a Umbanda: Fé é confiança. Se a gente encara as coisas assim, tudo fica muito mais próximo. Pratique a fé em você, no futuro. No seu trabalho, nas pessoas que te acompanham. A fé transforma. Sabe o lance do segredo? De mentalização? É isso. Esta fé cega gera uma redoma de confiança em volta de você e dos seus. É ao mesmo tempo uma proteção contra energias ruins e um catalisador de boas. Confiança atrai confiança.

  1. Se apoie no que vc já fez

A crise dos trinta foi uma que me pegou. Puxa cheguei aqui e o que tenho? é um pouco daquele lance de livros de auto ajuda. Agradeça. Não olhe para o que não fez, mas o que já conquistou. Mesmo que seja um companheiro ou companhia que gosta, amigos, uma viagem. Coisas pequenas são significantes.

  1. “Cuidado para não se cobrar demais”

BS… As pessoas falam isso para você se sentir melhor mas não acho que adianta. Contanto que seu objetivo seja nobre, qual o problema de querer crescer? melhorar o mundo? Porque não mirar nas estrelas? Talvez a verdadeira frase seria: cuidado para não esquecer de se divertir enquanto se cobra. Se vc é uma pessoa que já se questiona, só certifique-se de manter isso em mente.

  1. You are worth it

Agora pra falar a real. A maioria das pessoas passa pela vida sem nenhum tipo de questionamento desse. Elas são pessoas menores por isso? não. Muitos gostariam do dom da inocência (ou simplicidade). Mas eu sou do outro grupo: o que para, pensa e repete. E eu acho que a humanidade precisa de seres em crise como a gente. as vezes dói, mas é importante se questionar se vc quer fazer diferença na sua vida e das pessoas.

  1. Segue o baile

Você merece ser feliz. Se não está feliz, tenta uma terapia, toma remédio se precisar, perca peso, ganhe fôlego. descubra a origem do seu problema, o resolva, se não houver resolução, dê tempo ao tempo e segue o baile!
🙂

Navigate